dia-das-mulheres

Combate à violência, igualdade de direitos, seja na política ou nas relações profissionais, feminismo ou ainda a beleza e a doçura de ser mulher e ter o poder da criação, são temas importantes o ano inteiro. Mas o dia Internacional da Mulher é a oportunidade de acentuar as discussões e ampliar o debate relacionado à cidadania feminina. 

E começamos a semana destacando o que pensam algumas mulheres da cidade a quem pedimos que respondessem três perguntas, a serem publicadas ao longo da semana.  A primeira pergunta foi: 

– O dia internacional da mulher não é exatamente uma data de comemoração, mas de lutas e reflexões. Ao olhar para trás, quem é você nessa trajetória de lutas das mulheres?

“Sou um braço erguido e aguerrido, pedindo passagem, abrindo espaço e oferecendo minha voz, meu coração, minha alma pra diminuir as dores que uma mulher pode viver.  Vivenciei muitos percalços como muitas de nós.

O preconceito, por exemplo, de gênero, de opção sexual e até religioso, me foi proferido em recente episódio, mas diante de tudo isso me levantei e graças à minha esperança, à mobilização e à força divina, hoje me encontro representando uma cidade como vice-prefeita.

Os estudos e o trabalho foram molas propulsoras na minha caminhada. Me formei professora depois dos 40 anos de idade, lutei por direitos e por igualdade na sociedade, por isso posteriormente optei pela política. Para, em uma esfera maior, levar o anseio de todas nós, para buscar essa equidade nos direitos das mulheres e da população mais vulnerável. Buscarei sempre falar pela mulher, pelos idosos, pelos negros, crianças, gays e por todos os excluídos.

Atualmente, inclusive, temos na cidade a Secretaria dos Direitos Humanos, Cidadania e Mulher capacitada para acolher e desenvolver políticas públicas voltadas para essa população.”

(Angela Maluf, Vice-Prefeita de Cotia)

“O movimento feminista tem uma trajetória de grandes conquistas importantes para nós mulheres. O caminho ainda é longo, algumas bandeiras em particular merecem muita atenção, como a violência contra a mulher. No ano passado, foi um feminicídio a cada nove horas entre março e agosto e precisamos dar cada vez mais visibilidade para acabar com isso.

Sou feminista com muito orgulho. No ano passado, criei um grupo que reúne meninas e adultas de 16 a 40 anos, que vivem na Amazônia, no Nordeste, no Sul, no Pantanal e no litoral do país, para lançarmos juntas, o podcast SobreViver, dedicado a ajudar, informar, dar voz e visibilidade a projetos sociais transformadores, que inspiram e transformam a vida das pessoas, através de histórias e ações reais que servem como gatilhos motivacionais.

Apesar de pequeno, foi uma das formas que encontrei para estender as mãos a outras mulheres.”

(Caroline Alves – Gerente de Marketing do Shopping Granja Viana)

“A busca pela diminuição na assimetria em relação aos homens ganhou impulso quando liderei o movimento que implantamos em Cotia, para que, pela primeira vez, a OAB tivesse uma advogada como presidente. Protagonizar esse momento histórico na nossa cidade me enche de orgulho e muito me honra.”

(Mariana Arteiro, Advogada e Presidente da OAB Cotia)

“Sou alguém que tentou ser fiel às promessas de adolescência e procurou interferir positivamente no mundo a meu redor; uma pessoa que, na vida adulta, canalizou suas energias para um projeto educacional diferente e desafiador.”

(Terezinha Fogaça, Diretora da Escola Ágora)

“O 8 de março deve ser visto como momento de reflexão resgatando toda mobilização dos tempos primórdios para a conquista de direitos e permanecer para discutir as discriminações e violências morais, físicas e sexuais , sofridas pelas mulheres.

Importante enfatizar a história no sentido de culturalizar e transmitir conhecimento para reforçar e impedir que retrocessos ameacem o que já foi alcançado em diversos países, principalmente com diversidades e desaparelhamento sócio econômicos como o Brasil.

(Ruth Portugal, Arquiteta urbanista/ Empresária do ramo desenvolvimento urbano /Sócia proprietária da GP desenvolvimento urbano/

Conselheira da AELO / Diretora do SECOVI-SP)

“Eu fui criada por um pai que vivenciou na sua juventude uma sociedade mais adiantada que a nossa no que se refere ao lugar da mulher. Isso amenizou um pouco a minha experiência e me fez mais indignada que a média das minhas amigas. 

Nunca participei de coletivos ou organizações. Na minha juventude a luta era mais contida… Sou aquela que procura no trabalho, em casa, na criação dos filhos e em todos os lugares que frequento trazer uma voz de consciência. É uma luta diária, sinto que minha filha e minhas sobrinhas têm tido mais resultado que eu tive e me junto a elas sempre que me apresentam uma discussão ou proposta de ação. Tenho muito orgulho delas e do tanto que estamos avançando hoje em dia!

(Chris Barbosa, da EDA – Escola de Dança, Teatro e Música)

SIM, EU QUERO RECEBER UMA SIMULAÇÃO DE FINANCIAMENTO

SIM, EU QUERO RECEBER UMA SIMULAÇÃO DE FINANCIAMENTO

SIM, EU QUERO RECEBER UMA SIMULAÇÃO DE FINANCIAMENTO

Gostou? Compartilhe.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Neste artigo:
Combate à violência, igualdade de direitos, seja na política ou nas relações profissionais, feminismo ou ainda a beleza e a doçura de ser mulher